quinta-feira, 31 de julho de 2014

Boas memórias & momentos felizes. Há quem os esqueça ou se livre deles?





Memórias e momentos felizes não se deitam fora, não se esquecem, não desaparecem nem deixam de existir, não se trocam, não se alugam nem se vendem. Ficam no nosso pensamento e no nosso coração para sempre. Porque estas palavras? Porque desde sempre tive uma enorme facilidade em trocar de carro, de emprego, de roupa, de telemóvel de computador e de todos os bens materiais em geral, excepto um. Tenho dificuldade em deixar uma casa, um lar, um jardim, um local onde fui feliz. Em toda a minha vida existiu apenas uma casa da qual eu me despedi com facilidade porque vivi nela momentos menos bons e deixá-la para trás proporcionou-me harmonia, bem-estar e paz de espírito. Mas regra geral, seria com o coração muito pesado que eu ia abandonar uma casa onde cresci e fui feliz. As casas da minha infância continuam por isso a ser minhas, e só a custo eu me separaria delas. A casa dos meus pais, onde eu passei a adolescência e o início da minha vida adulta, será minha e não tenho intenções de a vender, a não ser que a vida me obrigue a isso. E se o fizesse, tenho a certeza que seria com o coração despedaçado e cheio de tristeza por ter de me separar de um local onde fui tão feliz, que tem o meu toque, onde tenho as melhores memórias com todos os meus animais de estimação, onde alguns deles descansam eternamente no jardim, debaixo da maior árvore. Foi nesta casa que eu passei tardes em trabalhos de grupo para a faculdade, foi também nela que eu fiz as melhores festas de verão com os meus amigos, que eu percebi que me estava a apaixonar por alguém, que fui pedida em casamento, foi aqui que eu vi a minha barriga crescer durante 9 meses, deitada na cama de jardim, a aproveitar tardes de sol enquanto a Margot me lambia os pés, pois ela ainda estava viva nos primeiros 3 meses gravidez, que vi os olhos dos futuros avós a brilharem de felicidade à medida que os meses iam passando e que se aproximava o dia do parto. Tenho intenção de ver crescer o meu filho nesta casa, vê-lo a partilhar momentos com os avós, a paciência com a qual a minha mãe lhe vai ensinar o nome das flores, das árvores e dos legumes. Os sabores que ele vai descobrir, as tardes de sesta à sombra e os lanches de aniversário na casa de madeira no fundo do jardim. Aos 6 meses de idade, o meu filho já tem momentos especiais nesta casa, já observa todas as plantas e flores que o rodeiam quando passamos as tardes no jardim, já quer cheirar as aromáticas plantadas pela avó e já tomou os melhores banhos da sua vida. E quero que ele continue a crescer nesta casa que já foi minha e que agora é dele também. Não percebo as pessoas que se separam de uma casa como se faz o check-out num hotel, não percebo um filho que deixe os pais venderem uma casa cheia de histórias e memórias, por ser mais prático. Não consigo acreditar que se abdique de toda uma vida de recordações em troca de mais uns euros. Não percebo.



13 comentários:

  1. Que texto lindo, intimista! Muitas pontes entre nós, querida, muitas!
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Nina. Sim, também penso que sim. Temos muitas coisas em comum, principalmente o que diz respeito aos valores e à família, e a forma de estar e de encarar a vida :)
      Beijo grande

      Eliminar
  2. Adorei!

    xoxo

    http://estilohedonico.blogspot.com.es/

    ResponderEliminar
  3. Também tenho dificuldade em me despedir de locais onde fui feliz, talvez por isso me esteja a ser dificil lidar com tud isto....

    Bjxxx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes estar a passar por um momento menos bom, mas vai passar, vais ver. Passa sempre, por mais difícil que seja, acaba sempre por passar e a nossa alma acaba por sarar :)
      Beijos

      Eliminar
  4. Bonito texto :) gostei de ler, e considero-me uma pessoa muito nostálgica em relação a locais também, e percebo perfeitamente o que é deixar um lugar com tantas memórias para trás porque tem mesmo de ser, custa imenso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, concordo que quando tem mesmo de ser, quando nada se pode fazer para guardar essa casa, temos mesmo de ir embora e evitar olhar para trás. Não percebo é aquelas pessoas que se separam de uma casa cheia de memórias só para ficarem com mais uns euros no banco.

      Eliminar
    2. Sim, eu percebo o que está a dizer. São escolhas :/

      Eliminar
  5. Eu percebo o que dizes no teu texto, mas eu também sou muito desprendida de lugares, talvez porque ainda durante a infância fiz algumas mudanças de casa. A que mais me custou foi na adolescência e veio associada a uma mudança de 190º, na casa, na escola... De resto, a coisa que mais me aborrece em mudar de casa é mesmo as mudanças de tralha :P

    estenaoeumbloguedemoda.wordpress.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu adoro mudanças, aproveito sempre para deitar fora a tralha e comprar novas peças, mas gosto de ficar com as casas ;)

      Eliminar

Comentários? Só se forem inteligentes ou pertinentes, se não for o caso...NEXT!